O consumismo do ser humano vai além da ideia da compra de produtos e a tomada de decisão para definir o que se pode adquirir. Hoje, você pode considerar consumo como uma questão que vai além de bens e serviços, por exemplo, o consumo político. O  cidadão, quanto consumidor, é responsável por escolhas que superam a questão individual. Pode ser tomado como consumo sustentável. Segundo Saleh (2010) a tomada de decisão que vai além da ideia de apenas obter determinado produto, vai numa questão bem mais profunda, a reflexão que parte do ponto em que seus próprios atos afetam diretamente a todos os indivíduos da sociedade em que nela vivem.

O consumo sustentável também tem nuances como consumo responsável, consumo consciente e até mesmo consumo verde. Segundo o Ministério do Meio Ambiente, cada uma traz uma especificidade do consumo sustentável, porém é uma ideia que pode ser entendida como única independente da denominação. 

Como abordado no início, trata-se de pensar ao se fazer escolhas, é levar em consideração como os atos de consumo podem afetar a vida nos âmbitos público e privado. Quando se diz respeito a consumir produtos que afetam o meio-ambiente, que envolve o uso de recursos naturais, geração de emprego e que podem ser reciclados, o consumo responsável entra diretamente como o método mais decente que trata do “ser” ao invés do globalmente difundido como a “sociedade do consumo” que diz respeito ao “ter”. E quando se trata de questões como política – porque sim, o indivíduo também consome política – refere-se, em palavras simples, em como suas decisões como indivíduo no meio social afetará a vida da população.

A transformação no comportamento é algo necessário para que a ideia do consumo sustentável venha a ser adotada como novos valores. É preciso amadurecimento por parte da sociedade para que seja exercido a prática dessa ideologia de consumo. Porém os valores como sustentabilidade e justiça social estão sendo disseminados pelo mundo, assim, tomando uma consciência coletiva, possibilitando que cada indivíduo procure a mudança que tanto é essencial para a adoção de costumes que evitem o desperdício e fomentem a lógica crítica que permeia o que temos hoje, ligada a ideia de obter apenas para ter.

Em geral, o consumo sustentável busca “problematizar” o consumo individual e promover a valorização da responsabilidade social, sem questionar as contradições das dinâmicas de produção e abastecimento predominantes em nossa sociedade.

REFERÊNCIAS

SALEH, A. M. A educação para o consumo responsável e a sustentabilidade: um caso-exemplo. Educação Ambiental em Ação, ano IX, n. 32, 2010.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Agenda Ambiental na Administração
Pública.

Publicado em: 13 de outubro de 2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *